Reunimos a nossa equipe de professores programadores da Cubos Academy, listamos os termos mais comuns da área de tecnologia e explicamos de forma simples, pensando em você que ainda está se familiarizando com a área.

Favorite esse artigo em seu navegador e consulte-o toda vez que não se recordar do significado de algo.

Vamos lá?

Algoritmo: É um passo a passo para resolver um problema. Uma sequência finita de ações executáveis que visa obter uma solução para um determinado tipo de problema.

API: É uma abreviação de Application Programming Interface, ou Interface de Programação de Aplicativos. APIs são serviços desenvolvidos e disponibilizados para que um ou mais produtos de software acessem e utilizem suas funcionalidades. Um exemplo de API utilizada por vários programas é a do Google Maps, que disponibiliza seus mapas e definições de localização para diversos serviços, que não apenas o aplicativo do Google.

ASCII (American Standard Code for Information Interchange): Traduzido para a Língua Portuguesa, significa código americano padronizado de intercâmbio de informações. Trata-se de uma tabela que relaciona qual byte representa qual caractere.

Array: Estrutura de dados que armazena uma coleção de elementos que podem ser endereçados individualmente.

AWS (Amazon Web Services): Plataforma de serviços em nuvem da Amazon segura que oferece serviços de infraestrutura de TI para empresas por meio de serviços web.

Back-end: Programador que trabalha com a lógica da aplicação, armazenamento e segurança de todos os dados gerados.

Backup: Cópia de dados de um dispositivo de armazenamento a outro para evitar perda dos dados originais.

Bit: É a menor unidade de medida de dados que pode ser armazenada ou transmitida no universo computacional. Um bit tem um único valor, zero ou um, com valor de verdadeiro ou de falso.

BPS (Bits Per Second): Na Língua Portuguesa, significa bits por segundo. Se trata de uma medida de transmissão ou recepção de bits.

Branch: Ramificações de um repositório (ver significado). Cada branch tem a mesma base, mas podem ter alterações diferentes entre si. É comum que o objetivo final em um projeto seja que todas as branches sejam unidas a uma branch principal.

Bug: Erro no código que pode estar causando um comportamento indesejado na aplicação.

Cache: É uma memória pequena, porém muito rápida. Um espaço de armazenamento dedicado a guardar informações que são utilizadas com frequência. É comum que alguns sites utilizem os navegadores para guardar informações em cache.

Chatbot: É um software que tem como função interagir com as pessoas por meio de aplicativos de conversa.

Cliente: Consumidor de conteúdo. Por exemplo, o usuário em um site de notícias ou em e-commerce. O cliente consumirá conteúdo de mídia e fará ações dentro do sistema.

Clock rate: Indica a frequência com que o processador de um computador funciona.

Cloud computing: Refere-se a um serviço da computação que disponibiliza acesso a recursos compartilhados, software e informações através de qualquer computador, tablet ou celular conectado à Internet.

Cluster: Arquitetura de sistema capaz combinar vários computadores para trabalharem em conjunto para que, em muitos aspectos, eles possam ser vistos como um único sistema.

Codar: Ato de fazer código. Palavra trazida da Língua Inglesa (to code).

Código: Abreviação de código-fonte. São "textos" escritos utilizando uma "gramática" específica (linguagem de programação). É o que é produzido por desenvolvedores(as).

Code Review: Ato de analisar o código de outra pessoa e fazer críticas construtivas a respeito de funcionalidades utilizadas e boas práticas de desenvolvimento.

Commitar: Atualizar o código do repositório com novas alterações. Seria semelhante a "salvar" o código do programador, fazendo uma espécie de checkpoint.

Cookies: Pequenos arquivos enviados por um site para o navegador do usuário, que ficam armazenados no computador. Eles são feitos para guardar dados específicos de um cliente ou website, para serem acessados futuramente pelo servidor web de maneira mais rápida.

Dar push: Enviar as alterações já commitadas (ver significado) do seu repositório local para um repositório remoto.

Dar pull: Fazer download das alterações em determinada branch (ver significado) num repositório remoto em seu repositório local.

Debugar: Procurar por erros no código, analisando entradas e saídas.

Dev: Abreviação de developer (do inglês). Pessoa desenvolvedora, programadora.

DEVOPS: Ferramenta que promove a integração e comunicação entre desenvolvedores de softwares e a equipe de infraestrutura (TI).

Diretório: Também conhecida como pasta. Se trata de uma estrutura utilizada para organizar arquivos no computador.

DNS (Domain Name System): Traduzido para a Língua Portuguesa, DSN significa Sistema de Nomes e Domínios. Se trata de um sistema responsável por localizar e traduzir para números IP os endereços dos sites que digitamos nos navegadores. Ele irá reconhecer seus números de IP para fazer uma conexão. Devido ao DNS pode-se, por exemplo, digitar na barra de endereços do navegador ‘www.cubos.academy’ para acessar o site ao invés de um monte de números e pontos.

Fazer deploy: “Subir o código”.  É quando um sistema foi disponibilizado para uso, seja para testes ou produção.

Framework: Se trata de uma estrutura base, uma espécie de plataforma de desenvolvimento, que contém ferramentas, guias, sistemas e componentes que agilizem o processo de desenvolvimento de soluções, auxiliando os especialistas em seus trabalhos.

Front-end: Desenvolvedor que trabalha com a parte de aplicação em que o usuário interage diretamente, associado a parte visual de um site ou aplicativo.

Fullstack: Profissional que tem conhecimento sobre back-end e front-end.

Git: Sistema de controle de versão de arquivos. Nele é possível que diversas pessoas contribuam simultaneamente editando e criando novos arquivos sem o risco que as alterações sejam sobrescritas.


Ei, deixa eu interromper a sua leitura para te dar uma dica muito boa:

Se você está começando a programar ou está interessado (a), que tal participar da nossa Imersão Programação do Zero: uma semana de imersão onde você vai aprender a programar do ZERO e sair com seu primeiro projeto. E o melhor: é um evento 100% online e gratuito com o acompanhamento de perto da nossa equipe de professores (as). Aprenda com quem sabe fazer: clique aqui e conheça. 😉


Hardware: Refere-se a objetos nos quais você pode realmente tocar, como discos, unidades de disco, telas, teclados, impressoras, placas e chips. Hardware é todo componente físico, interno ou externo do seu computador ou outro dispositivo, que determina do que um dispositivo é capaz e como você pode usá-lo. Embora dependa de um software para funcionar (e vice-versa), o hardware é um elemento a parte e igualmente importante.

HTTPS / HTTP (Hyper Text Transfer Protocol): É um protocolo, ou seja, uma determinada regra que permite ao seu computador trocar informações com um servidor que abriga um site. Porém, o HTTP não é segura e se torna propícias a pessoas mal intencionadas a interceptar os dados transmitidos. Por isso, existe o HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Secure), que insere uma camada de proteção na transmissão de dados entre seu computador e o servidor. Essa camada adicional permite que os dados sejam transmitidos por meio de uma conexão criptografada, aumentando significativamente a segurança dos dados.

Indentação: Uma espécie de “organização do código”, que facilita a leitura dele. Na indentação, a digitação dos códigos do programa ficam afastados por espaço da margem e dispostos hierarquicamente.

Intranet: É uma rede interna de computadores semelhante à Internet, porém é de uso exclusivo de uma determinada organização, ou seja, somente os computadores da empresa podem acessá-la.

Internet: Rede mundial que tem como objetivo interligar computadores para fornecer ao usuário o acesso a diversas informações. Atenção: Internet e Web são coisas diferentes. Verificar significado de Web.

IP (Internet Protocol): Traduzido para a Língua Portuguesa, significa Protocolo de Internet. Se trata de um endereço único que diferencia cada dispositivo conectado à internet. Esse protocolo funciona de forma semelhante ao CPF de uma pessoa física, permitindo que conexões e dispositivos sejam identificados a partir de uma sequência numérica. Cada aparelho ou dispositivo possui um IP fixo, enquanto a conexão com a internet gera IPs dinâmicos, também conhecido como IP externo.

LAN (Local Area Network): É uma rede local que tem por finalidade a troca de dados dentro um mesmo espaço físico. Se trata de uma conexão de dispositivos dentro de uma área específica. O limitador da rede LAN é uma faixa de IP restrita à mesma, com uma máscara de rede comum.

Lib: Abreviação de library, que significa biblioteca na Língua Inglesa. É um conjunto de funcionalidades ou programas que podem ser utilizados no desenvolvimento de projetos maiores.

Linguagem de alto nível: É a linguagem de programação que tem um nível de abstração elevado, se aproximando à linguagem humana.

Linguagem de baixo nível:  É a linguagem de programação com sequências de instruções binárias entendidas pelo processador do computador.

Loop: Repetição de um trecho de código, geralmente associado a um erro na execução do programa.

Merjar: Termo originado da Língua Inglesa, do verbo to merge. Merjar é unir funcionalidades que antes estavam sendo desenvolvidas separadamente.

Microserviçar: Separar o que antes era um monolito (ver significado) em pequenos mini-produtos autossuficientes.

Monolito: Projetos que normalmente todo o produto está em um repositório só.

POG (Programação Orientada à Gambiarra):  É quando um programador resolve algum problema de uma forma não-usual, com um código pouco robusto ou seguro.

POO (Programação Orientada a Objetos): É um paradigma de Programação que  tenta aproximar a vida real da programação, tornando mais intuitivo e fácil de entender, além de poder repartir ainda mais o código, dividindo-o cada vez melhor.

Pull Request: Solicitação para que alguma alteração feita em uma branch (ver significado) específica em dado repositório, seja merjada (ver significado de Merjar) numa outra branch. Essa solicitação usualmente é avaliada através de Code Review e pode precisar sofrer alterações antes que o merge ocorra. Também é conhecido como Merge Request.

Query: Processo de extração de dados de um banco de dados. Em outras palavras, se trata de um pedido de uma informação ou de um dado para um banco de dados e sua apresentação em uma forma adequada ao uso. A linguagem padrão para gerenciamento de bancos de dados é a SQL (Structured Query Language). Atenção: SQL é diferente do MySQL! Enquanto o primeiro é a linguagem da query, o segundo é o software que usa essa mesma linguagem.

Refatorar: Reescrever uma parte do código de forma mais simples ou elegante.

Repositório: Local de armazenamento de pacotes ou projetos de software. Geralmente são controlados por algum sistema de versionamento, como o Git. Podem ser locais ou remotos.

Repositórios locais: São os repositórios armazenados no computador da pessoa que o está utilizando.

Repositórios remotos: São os repositórios armazenados em alguma plataforma de hospedagem, como o GitHub ou o GitLab.

Rollback: Voltar atrás em relação a um código liberado anteriormente.

Stack: Área de conhecimento em programação. Exemplos: front-end, back-end e mobile.

Stack Overflow: É um site de perguntas e respostas sobre desenvolvimento de software.

Servir conteúdo: Manter disponível conteúdo para algum cliente.

Software: É uma coleção de dados ou instruções que informam a um sistema como ele deve trabalhar. Nada mais é do que um programa que você acessa no celular, tablet, computador ou qualquer outro dispositivo eletrônico. Pode ir desde sistemas operacionais, como Windows, macOS, iOS e Android aos apps que você usa todos os dias.

Subir o código: Colocar no ar uma nova versão de um site ou um app.

URL (Uniform Resource Locator): Traduzida para a Língua Portuguesa, significa Localizador Padrão de Recursos. Refere-se ao endereço de um recurso na rede como a internet. Entenda a URL como o endereço que você compartilha com os outros para que cheguem até o seu site ou blog.

Versionar: Criar uma nova versão do software. O processo de versionamento ajuda a documentar inclusões, alterações e exclusões de funcionalidades e registra quando cada função foi ao ar, sendo possível resgatar versões anteriores em caso de erros no processo de publicação. Geralmente utiliza-se 3 números. Exemplo: 3.2.41.

VPN (Virtual Private Network): Traduzida para a Língua  Portuguesa, Rede Privada Virtual. VPN é uma rede de comunicação privada construída sobre a infraestrutura de uma rede pública. Essa é uma forma de conectar dois computadores através de uma rede pública, como a Internet. Mas a VPN fornece autenticação e confidencialidade na transmissão de dados, além de protocolos criptografados, o que as torna mais seguras e confiáveis.

Web: Sistema de informações ligadas através de texto, vídeo, som e outras animações digitais que permitem ao usuário acessar conteúdos através da internet.

Quer aprender mais sobre programação e tecnologia?

Que tal participar da nossa Imersão Programação do Zero: uma semana de imersão onde você vai aprender a programar do ZERO e sair com seu primeiro projeto. E o melhor: é um evento 100% online e gratuito com o acompanhamento de perto da nossa equipe de professores (as). Aprenda com quem sabe fazer: clique aqui e conheça. 😉


As tecnologias mudam rapidamente e só quem está inovando no mercado consegue acompanhar. Há 7 anos, a Cubos desenvolve aplicativos, sites, sistemas de gerenciamento e outras soluções tecnológicas para atender às necessidades dos clientes.

A Cubos Academy nasce do desejo de unir esse valor à vontade de transformar a realidade por meio da educação, desenvolvendo talentos conectados com a demanda do mercado.

Conheça mais sobre a Cubos Academy!

Instagram    Facebook    Youtube     LinkedIn     Site